JA Teline V - шаблон joomla Форекс

Segundo estudo, desenvolvimento do turismo impulsiona a felicidade no destino caribenho

Pesquisa conduzida pela ATA (Autoridade de Turismo de Aruba) em parceria com a Rosen College of Hospitality Management da Universidade da Flórida Central sugere que Aruba é a ilha mais feliz do mundo. Os resultados confirmam que 78% da população arubana é feliz, enquanto 76% também expressa satisfação com a vida a longo prazo.

Quando comparada ao World Happiness Report (Relatório de Felicidade Mundial) de 2016, realizado pela Organização das Nações Unidas para medir o índice de felicidade de 157 grandes países, os resultados de Aruba foram melhores que o primeiro da lista, a Dinamarca.

“É importante observar que, enquanto outras ilhas caribenhas estão incluídas no Relatório de Felicidade Mundial, Aruba é a primeira e única a ter sua própria medição dos índices de felicidade”, explica Dr. Robertico Croes, da Universidade da Flórida Central. “Ao longo de cinco anos, coletamos um total de 2.000 pesquisas, divididas em quatro núcleos principais de pessoas, e detectamos a estabilidade desejável nos níveis de felicidade no local”, completa Croes.

Aruba já conta com a marca de promoção turística “Ilha Feliz” há quase 40 anos, mas a felicidade é mais que um slogan, já que faz parte da essência da ilha, que se comprometeu a estudar este tema desde 2011.

“Como a segunda nação mais dependente do turismo no mundo, Aruba valoriza muito a felicidade dos locais, que representam o coração e a alma do destino e garantem a qualidade que define o turismo na ilha”, revela Ronella Tjin Asjoe-Croes, CEO da ATA. “Avaliamos o nosso sucesso como destino turístico não só pelos benefícios tangíveis, mas também pelos intangíveis, como a felicidade local e satisfação com a vida, que impactam diretamente a experiência de nossos visitantes”, diz Tjin Asjoe-Croes.

Embora o estudo revele que o turismo em Aruba não é o principal motivo da felicidade, o sucesso do setor traz satisfação ao povo local, além de gerar recursos e benefícios que o governo e a ATA utilizam, perpetuando a felicidade local. As iniciativas de bem-estar e desenvolvimento inspiram atividades com a família e realização pessoal, indispensáveis para o povo arubano.

“Entre todos os projetos de pesquisas de destinos que nossa universidade vem conduzindo em todo o mundo, Aruba é um dos lugares mais atraentes para a realização dos estudos sobre qualidade de vida e felicidade”, afirma Dr. Manuel Rivera, também da Universidade da Flórida Central. “Ao longo das análises, confirmamos que o povo local é, em geral, satisfeito com a qualidade de vida, bem como com a ligação imprescindível entre o destino e o turismo. Podemos dizer que a felicidade arubana pode ser vista como um ciclo de autorrealização em que o desenvolvimento do turismo impulsiona a felicidade dos moradores, o que resulta em turistas felizes”, esclarece Rivera.

Única ilha caribenha a medir esse índice, Aruba também incentiva outros países a seguirem o exemplo. "É importante avaliar o sucesso de um país para além de indicadores econômicos e também fazer a felicidade e bem-estar parte integrante do nosso diálogo e intenções nacionais", comenta Otmar Oduber, Ministro do Turismo, Transporte, Setor Primário e Cultura de Aruba. "Também gostaríamos que o Ranking Mundial prestigiasse em suas pesquisas o estado de desenvolvimento de pequenas ilhas, como nossa Ilha Feliz”, acrescenta Oduber.

A abordagem de Aruba para a felicidade já conta com o apoio da Organização Mundial de Turismo das Nações Unidas. "Analisamos os resultados deste estudo, que está de acordo com nossa metodologia, e acreditamos que ele merece atenção em nível mundial", disse o secretário-geral da OMT, Taleb Rifai. "Gostaríamos de ver este modelo aplicado em outras ilhas do Caribe e no mundo", finaliza Rifai.

Os resultados do estudo foram apresentados durante o Happiness 360, simpósio internacional realizado na ilha nos dias 13 e 14 de setembro, em parceria com a Organização Mundial de Turismo, que destacou tendências da indústria e as sinergias entre o turismo, a cultura e a felicidade.

Sobre a ilha de Aruba

Com 110 mil habitantes e localizada ao norte da Venezuela, a ilha de Aruba, no Caribe, é conhecida por suas águas claras e areia branca. Oferece infraestrutura completa de lazer, com 28 hotéis e resorts ao longo da costa oeste, spas, cassinos e campos de golfe - sendo um profissional com 18 buracos. Além disso, a Ilha Feliz, como é conhecido o país, apresenta gastronomia internacional variada e diferentes opções de compras. Atividades para toda a família estão disponíveis em terra firme, com passeios e visitas pela ilha, e também na água, com mergulho em seu mar cristalino e esportes aquáticos. Sua localização privilegiada mantém o clima a agradáveis 28 ºC quase todo o ano e fora da rota de furacões. Turistas brasileiros não precisam de visto para entrada no país. Saiba mais em br.aruba.com.

 

A revista internacional Condenast Traveler publicou 10 experiências que mostram a capital da Terra Santa sob uma perspectiva pouco conhecida.

Festas, restaurantes, compras e exposições. Essas e outras atrações formam uma lista de experiências surpreendentes em Jerusalém, pulicada pela Condenast Traveler.  Segundo a revista, antigo, solene e sagrado são três palavras que resumem a visão que o mundo todo tem da capital israelense, porém a lista mostra que quando explorada, além de contar a história das religiões, a cidade se revela jovem e animada. Confira a seleção:

 

Vire hipster por um dia na German Colony

Fundada pelos Templars, um grupo de imigrantes alemães, a German Colony costumava hospedar vários colonos ao longo dos anos. Apesar da negligência inicial, prosperou até se tornar o que é hoje: uma comunidade eclética da elite e dos estrangeiros de Jerusalém. Emek Refaim, a rua principal, vibra com restaurantes, cafés e butiques sofisticadas localizadas em prédios caracterizados por uma arquitetura que mistura elementos da Alemanha e do Oriente Médio. Siga para Caffit e encontre o melhor da culinária kosher e o restaurante Colony para um jantar contemporâneo e mediterrâneo, além de música ao vivo -  local favorito de celebridades. E dê uma passada no teatro Lev Smadar se você curte cinema experimental.  

 

Visite o comovente Museu do Holocausto

O Centro Yad Vashem é parada obrigatória em Jerusalém. O espaço, que toma 45 acres do Monte da Lembrança e renovado pelo arquiteto Moshe Safdie, é uma viagem no tempo sensorial e high-tech. O centro abriga artefatos pessoais, testemunhos em vídeo de sobreviventes, museu de arte criado durante o período, o Jardim dos Justos - onde cada árvore foi plantada para cada não-judeu que ajudou judeus a escapar – e a Sala de Nomes – memorial coletivo em homenagem às vítimas do genocídio.

 

Confira a estação de trem que cresceu e se tornou descolada

A estação First é um antigo terminal de trem que hoje é um ponto de encontro cultural ao ar livre. Aberta 24 horas, hospeda lojas de souvenirs, sorveterias, pubs e restaurantes que servem culinária mundial e até um pequeno parque de diversões, além de uma feira livre e shows de jazz. Nos fins de semana, fica ainda mais vibrante com a própria feira de moda e design. Se você está afim de se exercitar, a linha ferroviária foi transformada em uma ciclovia com pista de caminhada.

 

Se acabe nas compras

Se está buscando boas pechinchas, dirija-se até a rua Bem Yehuda no centro de Jerusalém.  É um ótimo lugar para comprar souvenirs e obras de arte com preço acessível (além de objetos religiosos). A rua está sempre tomada por músicos e artistas performáticos. Para compras sofisticadas, o Mamilla Mall é o lugar certo, lá estão as principais e famosas grifes israelenses e internacionais.

 

Explore os bairros artsy

Os Courtyards são pequenos assentamentos judeus amontoados em torno de um ponto de encontro comum. Um deles, Nahalat Shiv'a, floresceu em uma localidade artsy com becos que são o lar de livrarias e galerias de arte. Um passeio por suas ruas de paralelepípedos revela pérolas como Tmol Shilshom, um restaurante icônico que também funciona como um espaço para eventos literários. Para matar a fome depois das festas, siga para o Zuni, que abre da meia-noite às 7h. Não se esqueça de comprar presentes na 8 Ceramists Together, uma loja-cooperativa de objetos feitos de cerâmica.

 

Explore a Cidade Velha -  A Cidade Velha de Jerusalém é dividida em quatro regiões: Judaica, Mulçumana, Cristã e Armênia — cada uma com suas próprias atrações e cultura. O complexo da Torre de David hospeda um museu e um espetacular show de luzes que conta a história da capital. Você também pode comprar itens de couro, luminárias, camisetas e inúmeros bibelôs. 

 

Conheça mais sobre os shuks

 

O Mercado Mahane Yehuda, com carne, temperos e produtos frescos disponíveis, é um ótimo lugar para compreender os sons e sabores doshuk — versão israelense dos souks, mercados tradicionais árabes. Experimente um autêntico halva, doce a base de gergelim, em uma das muitas barracas. Inscreva-se para um tour guiado pelos restaurantes e padarias históricas. Participe de aulas de culinária ou simplesmente sente em um café e testemunhe a arte da negociação no comércio. Quinta-feira é o melhor dia para festas que se estendem até a hora do café da manhã na sexta. Se você gosta de observar os hábitos locais, é uma ótima oportunidade de ver como fazem as compras antes do Shabbat. 

 

Passeie pelo centro da cidade

O centro da cidade é o melhor lugar para relaxar e se divertir. Dia ou noite, sempre tem alguma coisa para fazer por ali. Sente-se na praça Zion e sinta a história do local, que foi palco de manifestações durante o Mandado Britânico. No fim do dia, aproveite o karaokê de rua e assista as performances dos artistas locais. Depois, siga para a rua Jaffa para um jantar informal ou fazer umas compras. Se você gosta de narguilé, os inúmeros hookah pubs são uma boa opção na parte oeste da região.

 

Aprecie Picasso, arqueologia e arte judaica

No museu de Israel está o Santuário do Livro, que contém os famosos pergaminhos do Mar Morto— manuscritos originais dos tempos bíblicos. No outro lado do espectro cultural está o Billy Rose Art Garden, ideal para os amantes de arte moderna. Admire as exposições com obras de Picasso e Lipchitz e também conheça mais sobre arte judaica e arqueologia. Separe um tempo para ir ao restaurante Modern, famoso pelo brunch e o jazz ambiente que formam uma atmosfera semelhante a um bistrô.

 

Se inteire das novidades dos artistas de rua

A colônia de artistas Hutzot Hayotzer é o lugar onde surgiu célebres artistas israelenses há mais de 40 anos. Seus trabalhos não são apenas expostos, mas os visitantes também podem interagir e aprender com os criadores. Esculturas, pinturas, bordados são exibidos e podem ser comprados diretamente com os artistas. Próximo dali estão locais tranquilos como Teddy Park e Sultan’s Pool, ótimas opções para relaxar.

A charmosa região que abriga o Hotel Luciano K apresenta variedade de lojas de arte, moda e design.

Celebrado pela gastronomia autêntica e vida noturna vibrante, o bairro Lastarria é também referência em compras e hospedagem na capital do Chile. A área, primeiramente residencial, passou a atrair uma população mais jovem e moderna ao abrir espaço para charmosas lojas e hotéis-boutique de vanguarda, como o Luciano K, inaugurado em fevereiro de 2016.

 

A avenida principal, chamada Jose Victorino Lastarria, concentra a maioria dos bares e restaurantes, enquanto as lojas ficam escondidas nas travessas, em prédios antigos que mesclam a arquitetura neoclássica e colonial. Na avenida, é possível encontrar a Ají (Lastarria 316), uma joalheria que oferece peças feitas à mão por designers chilenos a partir de materiais naturais como coral, crina de cavalo e vários tipos de madeira, além de colares feitos com contas irregulares de pedra vulcânica.

 

A La Sastreria (Merced 327) oferece peças feitas sob medida, entre sapatos, chapéus, camisas de linho e calças em estilo antigo. Na mesma rua, é possível encontrar a Moda Miniatura (Merced 346), loja de moda infantil que oferece roupas coloridas e artigos como mochilas em miniatura com o formato de personagens de desenho animado.

 

Quem está em busca de artigos mais tradicionais deve visitar a Ona (Victoria Subercaseaux 295), localizada em um prédio de dois andares, que vende peças de artesanato andino de dois estilos diferentes. Um deles é composto por produtos feitos de lã de carneiro por artesãos nas montanhas, como tapetes, cachecóis e ponchos. O outro é produzido por artistas chilenos que recriam objetos tradicionais, como saladeiras e travessas de madeira, com um toque de modernidade.

 

Para viajantes que gostam de garimpar as compras, a dica é a feira de livros e antiguidades que tem o mesmo nome do bairro e abre toda semana, de quinta a sábado, da manhã até o início da noite.

 

Outro lugar importante é o GAM (Centro Cultural Gabriela Mistral), localizado em um prédio com mais de 20 mil metros quadrados em frente à estação de metrô Universidade Católica. Batizado com o nome da primeira chilena a ganhar o Prêmio Nobel de Literatura, o espaço oferece atrações culturais como espetáculos de música, dança, teatro e artes plásticas, além de possuir uma loja de vinhos e uma livraria.

 

Sobre o Hotel Luciano K

 

Construído num edifício projetado pelo renomado arquiteto chileno Luciano Kulczewski na década de 1920, o hotel mescla a história do local com um design moderno que pode ser apreciado em suas escadarias de mármore e na decoração minimalista dos seus 38 apartamentos, todos com TV a cabo, wi-fi, secador, cofre e frigobar. Sua infraestrutura inclui bar, restaurante, lobby lounge, terraço com vista ao Parque Florestal - uma área de 17 hectares que margeia o famoso Rio Mapocho -, spa com sauna e piscina aquecida.